O que causa dor de garganta?

0
26


A dor de garganta pode ter origem infecciosa ou não infecciosa. No segundo caso, uso excessivo da voz, irritação a ar seco e fumaça, alergias e refluxo podem estar por trás desse sintoma. E a provocada por vírus e bactérias, como dá as caras? Confira abaixo:

1 Vilões em cena

A infecção viral, diga-se, é 20 vezes mais comum do que a bacteriana. A porta de entrada para os inimigos são as vias aéreas, e o contágio pode ocorrer tanto pelo ar quanto pelo contato das mãos contaminadas com o nariz.

2 Confusão armada

Os vírus ou bactérias infectam células e se multiplicam na área da garganta. O sistema imune reage, desatando uma inflamação. Se o agente for um vírus, o contra-ataque do organismo acontece em toda a região. Quando a causa é uma bactéria, a batalha tende a se concentrar nas amígdalas.

3 Incômoda consequência

A ofensiva viral e a reação inflamatória despertada por ela afetam toda a mucosa da garganta, gerando vermelhidão, coceira, inchaço e dor. Na bacteriana, as amígdalas ficam inchadas e podem sediar uma placa esbranquiçada, o pus. A febre pode dar as caras em ambos os casos.

 

4 Perigos em outros cantos

A dor de garganta viral dura cerca de uma semana — o tempo que a infecção demora para acabar naturalmente. Já a bacteriana pode se acentuar e exige o uso de antibiótico. Se não for tratada direito, abre brecha para outras ameaças: a bactéria migra para o sangue e eleva o risco de problemas até no coração.

5 Dá para prevenir?

Evitar ambientes fechados, onde se proliferam vírus e bactérias, e lavar as mãos com frequência são medidas que nos deixam mais blindados contra as infecções. O frio não causa a encrenca, mas cuidado com as mudanças bruscas de temperatura — elas são capazes de afetar as mucosas e comprometer a imunidade, favorecendo a ação dos micro-organismos.

O que é bom para a dor de garganta

Repouso: a imunidade melhora quando o corpo descansa. Portanto, tirar uma folguinha acelera mesmo a recuperação.

Chás: eles hidratam a região e, por isso, amenizam os incômodos. Mas cuidado: se muito quentes, podem piorar a irritação.

Própolis: algumas gotinhas administradas ao longo do dia são um recurso para abrandar ardência e dor no local.

Antibióticos: combatem só o ataque bacteriano. Se for viral, o jeito é aliviar os sintomas com analgésicos e anti-inflamatórios.

Pastilhas: com propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, elas atenuam as dores, mas não tratam a infecção.

Fonte: Cláudia Schweiger, médica preceptora da Residência em Otorrinolaringologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre



Fonte do Artigo

Anúncio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui